Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/09/19 às 11h59 - Atualizado em 10/09/19 às 11h59

Campanha da Sejus incentiva acolhimento como prevenção ao suicídio

COMPARTILHAR

 

Em um relatório divulgado na segunda-feira (9), véspera do Dia Mundial para a Prevenção ao Suicídio, 10 de setembro, a Organização Mundial de Saúde (OMS) mostra que uma pessoa se suicida a cada 40 segundos no mundo. Número que, conforme destaca o relatório com os dados, não representa fielmente a realidade, já que, para cada morte registrada, há muitas outras tentativas e óbitos que não chegam a ser contabilizados como suicídios. O fato é que 800 mil pessoas acabam com suas vidas todos os anos no mundo.

 

No dia 3 de setembro, a Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania (Sejus), através do Programa DF Criança, que tem como madrinha a primeira-dama Mayara Noronha, lançou uma campanha de prevenção ao suicídio de crianças e adolescentes. As ações priorizam iniciativas nas escolas.

Nas últimas décadas observa-se um crescimento dos casos de suicídio no Brasil e os números são especialmente preocupantes entre jovens. O suicídio é, hoje, a quarta causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil.

 

Além de informativa, a campanha visa sensibilizar a sociedade e incentivar a escuta/empatia e o acolhimento de crianças e adolescentes em sofrimento psíquico. A campanha “Setembro Amarelo – Vamos dar as Mãos?” realizará ações em escolas públicas e particulares, abrigos, unidades de internação socioeducativas e em espaços públicos.

 

Para o secretário da Sejus, Gustavo Rocha, é importante debater o tema e estar atento ao comportamento das crianças e dos adolescentes. “Estudos sugerem um alto nível de incidência de sintomas depressivos na população escolar, que variam desde 13% em crianças até 20% em adolescentes, números que demonstram que a depressão infanto-juvenil é decisivamente um problema de saúde mental significativo”.

 

Para a subsecretária de Políticas Públicas para Crianças e Adolescentes da Sejus, Adriana Faria, “é importante considerar que os dados de tentativas ou consumação de suicídios têm aumentado na adolescência e em idade cada vez mais precoce, e que ele pode ser evitado na grande maioria dos casos”, disse.

 

Lívia Magalhães, chefe da Unidade de Gestão do Programa DF Criança, avalia que “especialmente as escolas têm um papel decisivo na prevenção da violência interpessoal e autoprovocada, por isso nosso trabalho nesse ambiente deve ser intensivo”.

 

Programação – Escolas do DF contarão com palestras e dinâmicas com professores e adolescentes sobre saúde mental e prevenção ao suicídio infanto-juvenil. Na quarta-feira, dia 11, às 9h, a ação será no Centro de Ensino Médio do Núcleo Bandeirante. Dia 18, às 9h, dinâmicas com adolescentes do abrigo Lar São José da Ceilândia. No dia 19, às 9h, palestras no Colégio Marista. Dia 25/09, às 14h, as ações acontecerão na unidade de internação socioeducativa de Santa Maria.